Campanha eleitoral na internet é alternativa em 2020, mas quem só percebeu isso agora terá que correr

Casos pelo mundo mostram que as redes sociais se tornaram um meio comprovadamente importante para as eleições. No pleito de 2020, em que os brasileiros vão às urnas escolher prefeitos e vereadores, as redes ganham ainda mais importância.

A maneira tradicional de se fazer campanha política vai sofrer mais um impacto, modificando a forma de divulgar seus candidatos, após o impacto da pandemia da Covid-19, os concorrentes vão ter que aproveitar o potencial das redes sociais para traçar novas estratégias. O especialista em marketing político Fernando Adoka alerta, que os candidatos e assessores que só se deram conta de que a campanha vai precisar migrar para as redes digitais somente agora, terão mais dificuldades.

“Quem percebeu que o ano seria diferente e desde março começou um trabalho mais estruturado, pensando em como trabalhar com os aplicativos de conversa, Whatsapp, Telegram, o uso as redes sociais e listas de e-mail, e a nova forma de chegar aos eleitores, estruturando uma equipe de apoio, criando grupos de Facebook, Instagram e tomando decisões para construir uma campanha relevante dentro da internet, vai sair muito na frente”, comenta Adoka que tem no currículo campanhas eleitorais no Brasil, e foi o coordenador digital da campanha de importantes candidatos (diversos partidos) nas últimas eleições em 2018.

A campanha de rua é uma tradição no Brasil, e os candidatos muitas vezes passam a esperar muito da campanha digital (muito mal planejada e que não traz benefícios). É nesse ponto que o especialista em marketing faz um alerta, explicando que para que uma campanha na internet seja bem sucedida e funcione, é preciso investimento. “A troca [da campanha de rua para a digital] não é tão rápida. Estar na internet todos estarão, agora conseguir efetivamente transformar a internet pra uma ferramenta de conquista de voto é um desafio que eu diria que poucos conseguem”, completou.

Vale observar os recursos investidos na campanha eleitoral americana. O candidato a reeleição Donald Trump e Joe Biden investem em media 700 mil dólares em anúncios para Facebook, Instagram e WhatsApp por semana, esse investimento é, muitas vezes, necessário para chegar em públicos que um candidato normalmente não chegaria.

Para os candidatos a vereador o investimento pode ser menor, e é mais fácil usar algumas ferramentas de internet e fazer uma boa campanha digital, o motivo é que tradicionalmente os candidatos a cadeiras no Legislativo municipal se concentram em bairros, principalmente em cidades grandes, como as capitais. Deste modo seria mais fácil estabelecer redes fortes nesses ambientes. “No Whatsapp você consegue criar grupos dentro da comunidades desses bairros e trabalhar uma comunicação um pouco mais específica, da mesma forma que você consegue trabalhar com um kit básico de anúncio no Facebook e Instagram”, comenta. “Então com pouco dinheiro você consegue”, completa o marqueteiro.

Mas quando se fala de política inúmeros fatores são determinantes. Por isso é importante deixar claro que o desafio de todo mundo que trabalha com marketing político na internet é como converter likes, curtidas e compartilhamentos efetivamente em voto.